quarta-feira, 4 de maio de 2011

Huevitos

Hoje entrei num vagão da linha azul e como já eram umas 22h não tinha muita gente, mas o chão estava cheio de Huevitos, sabe? Aquele chicletes coloridos em forma de ovinho.
Achei tão bonitinho... e eles rolavam de um lado pra outro, se batiam, paravam nos pés das pessoas e tinham uns esmagados também, cruelmente assassinados por pés gigantes. Outros estavam agrupados, num canto tinham dois casais, um amarelo e laranja o outro composto por dois amarelos, ali perto um vermelho bem escondidinho atrás do banco.
E ninguém tava olhando pra eles, então um homem entrou no vagão e um Huevito amarelo passou na frente dele, e ele riu. A moça do lado viu ele rindo, viu o Huevito vendo, assim, notou toda a população colorida no chão do vagão e riu também, o mesmo aconteceu com uma senhora e outro senhor.
Logo cada um voltou pros seus pensamentos, livros, músicas, mortes de bezerra. E eu fiquei pensando... que vida tiveram aquele Huevitos... que não saíram da fábrica pra caixa e depois diretamente pruma boca saliventa. Uma caixa toda se abriu e ele puderam rolar por aí um pouco. E por sua vez, seres feitos de petróleo, corante, glicerina, manitol entre outros, conseguiram ainda arrancar risos, sorrisinhos e postagen em blogs dos humanos cansados que estiverem no mesmo vagão que eles.

Um comentário:

Destemperados teatro disse...

A forma como você escreve, prende o leitor. A forma como você escreve faz faz um filme nas nossas cabeças!